A mutuáriá firmou seu contrato de financiamento habitacional em junho de 1988, com prazo de pagamento de 210 meses (17 anos), e se encontrava com prestações em dia.

Verificava que mesmo pagando as prestações em dia, o saldo devedor não reduzia, pelo contrário, só aumentava!  Como seu contrato de financiamento não possuía FCVS (Fundo de compensação de variação salarial), sabia que era de sua responsabilidade o pagamento do saldo devedor.  Diante do valor exorbitante do saldo devedor, procurou a AMMRS para ingressar com ação judicial e discutir a dívida.

Após diversas perícias contábeis sobre o contrato em discussão, foi verificado o abuso cobrado pelo Banco nas prestações e saldo devedor.

Com o ingresso da ação judicial, liminarmente foram concedidas a suspensão do pagamento das prestações e redirecionadas para depósitos em juízo, assim como a não inscrição do nome da mutuária no SPC e SERASA, enquanto durasse o processo.

Em audiência de conciliação na Justiça Federal, a AMMRS conseguiu reduzir a dívida do mutuário de R$ 1.594.000,00 para R$ 160 mil reais, sendo R$ 12 mil reais de depósitos judiciais que foram abatidos deste valor.

A liberação da hipoteca será disponibilizada na agência em até 90 dias, após a liquidação.

Se você possui alguma dúvida em relação ao seu contrato habitacional, não deixe de entrar em contato.

Processo n° 2004.71.00.041090-0